Amigos do Crivella

Reunido com empresários, ministro defende união para tornar o Brasil campeão na aquicultura

Deixe um comentário

Imagem 62peq

Reunido com empresários, ministro defende união para tornar o Brasil campeão na aquicultura  

 

Na manhã desta terça-feira (13), o ministro Marcelo Crivella se reuniu, em Brasília, com empresários da aquicultura nacional. O objetivo foi estreitar relações e conhecer a experiência de campo destes produtores para a implantação de políticas públicas de estímulo ao setor.

O ministro defendeu modelos de produção que incentivem a participação dos pequenos e médios produtores. Também destacou a importância de todos se unirem para vencer os gargalos do setor, projetando a aquicultura brasileira “no cenário mundial”.

Os empresários elogiaram a atuação do Ministério e as conquistas já alcançadas nos últimos anos, mas também abordaram os problemas que ainda impedem o maior avanço do setor. Para os empresários, são pontos críticos a morosidade e os impeditivos relacionados à concessão de licenças ambientais nos estados. Também destacaram a importância da pesquisa científica para apoiar a criação das espécies nativas em cativeiro e para o desenvolvimento de máquinas e equipamentos adequados.


Potencial e gargalos

Segundo o último boletim estatístico da pesca e aquicultura brasileira, do MPA, a produção aquícola nacional em 2010 foi de 479,4 toneladas, representando um aumento de 15,3% em relação à produção de 2009. No triênio 2008-2010, o incremento foi de 31,2% na produção. Apesar deste grande fôlego, o setor ainda está longe, nas palavras do ministro Crivella, de “produzir na escala compatível com as nossas riquezas naturais”. O País conta, afinal, com 12% da superfície de água doce do planeta e uma costa de mais de oito mil quilômetros de extensão. Todos estes recursos podem levar o País, dentro de alguns anos ou décadas, a se tornar um dos maiores produtores mundiais de peixes, crustáceos e moluscos.

Para Camilo Diógenes, representante da Associação  Cearense de Aquicultores (ACEAq), apenas o estado do Ceará tem potencial para produzir anualmente 240 mil toneladas de tilápia. Entretanto, os embaraços com o licenciamento ambiental estão limitando a produção a apenas 15% deste total. Já Pedro Furlan, diretor presidente da Nativ Pescados, destacou que o maior desafio para o País “é criar um modelo para atingir alta escala de produção, com empresas âncoras”. O produtor de pescado e ração Aniceto Wanderley, de Roraima, lembrou que a aquicultura tem importância social para a Amazônia e é uma atividade que não demanda desmatamento. Recordou que o BNDES deve ser um parceiro das iniciativas na região. Em Rondônia, apontou que o desenvolvimento do peixe tambaqui em cativeiro “é fantástico”. O espanhol Roman Davila, diretor-executivo da Pescanova Brasil, alertou para o fato de que a aquicultura brasileira deve se voltar não apenas para o mercado interno quanto para o internacional. Para tanto, defendeu a redução de custos de produção. O consultor Sérgio Annibal, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, convidado pelo ministro Marcelo Crivella para o encontro, informou que o pirarucu da Amazônia, um dos maiores peixes do mundo, está fazendo muito sucesso em países como o Japão, pela sua carne branca e suave.  

Jorge Souza, CEO do grupo Mar & Terra afirmou que o País precisa investir mais em pesquisa em áreas como manejo, sanidade e melhoramento genético, para “reduzir custos e tornar o setor competitivo”. Preconizou ainda um modelo em que as empresas pequenas e médias se dediquem à produção e as empresas maiores, chamadas âncoras, à parte de processamento e comercialização. Elogiou as espécies nativas de peixe, de grande biodiversidade, e destacou o imenso potencial da Amazônia e do Pantanal para atividade aquícola. Para Luiz Valle, diretor-executivo da Cavalo Marinho, o MPA tem uma função estratégica para o setor aquícola nacional.

Por sua vez, Jaime Brum, do Projeto Pacu, lembrou que o governo do Acre se uniu a nove cooperativas e associações de pequenos produtores, e ainda a 15 grandes produtores, para desenvolver um projeto capaz de elevar a produção estadual de cinco mil para 20 mil toneladas até 2015. Na parte industrial os investimentos chegam a R$ 53 milhões, para a construção de uma moderna fábrica de ração, frigorífico e produção de alevinos.

Fonte: MPA

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s